Documento sem título
 
 
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Dia das Crianças

Material Escolar

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 06/04/2023 - Virei dom√©stica aos 12, passei por trag√©dias e hoje fa√ßo doutorado na USP
06/04/2023 - Virei doméstica aos 12, passei por tragédias e hoje faço doutorado na USP

Kátia Lima foi vítima de abusos e assédio; aos 24 conseguiu voltar a estudar e hoje faz doutorado.

Após uma trajetória marcada por dificuldades, Kátia Giovana Costa Lima, de 55 anos, formou-se mestre em língua portuguesa e hoje é doutoranda em literatura brasileira pela USP (Universidade de São Paulo).

Ca√ßula de sete filhos, K√°tia saiu de Sorocaba, parou de estudar e come√ßou a trabalhar como empregada dom√©stica na capital aos 12 anos ‚ÄĒ a mesma profiss√£o da m√£e e das irm√£s. Foi v√≠tima de ass√©dios de patr√Ķes, namorado violento e do desemprego.

A história virou até livro e sua experiência a fez fundar o Instituto Pérolas Empreendedoras, que ajuda mulheres em situação de vulnerabilidade e jovens a conquistar uma vida melhor. Ao UOL, Kátia conta sua história.

Sofremos um despejo

"Meu pai se separou da minha mãe quando eu tinha 3 anos. Ela era empregada doméstica, vivia internada e hoje sabemos que tinha depressão.

Alguns anos depois, minhas irmãs Ilda e Deise vieram a São Paulo para trabalhar como domésticas. Minha mãe fez o mesmo, mas levando quatro filhos.

Foram tempos difíceis. Minha mãe alugou um apartamento no centro e, nessa época, o Juvenal [irmão] faleceu, aos 22 anos, assassinado em uma briga de bar.

Sofremos um despejo e, para não morar na rua, minha mãe conseguiu que eu, com 12 anos, fosse trabalhar como doméstica.O que seria provisório se tornou permanente porque era a profissão que dava a oportunidade de ter onde morar.

Em todas as casas que passei, lavava, passava, cuidava de crian√ßa que chegava da escola, dava banho. Algumas fam√≠lias tinham at√© quatro para tomar conta. Geralmente, a folga era s√°bado, ap√≥s o almo√ßo, e aos domingos. Em nenhum desses empregos tive registro em carteira, 13.¬ļ sal√°rio, f√©rias. Era escravid√£o.

Fui vítima de assédio e minha atitude, na primeira vez, foi pedir conta. Saí xingada porque a mulher tinha acabado de ter bebê. Mas, como ficar lá se o marido começou a me assediar? Não tive coragem de contar.

Ele me chamava para tomar vinho, batia na porta do meu quarto. Eu n√£o atendia. Em outra casa, o dono me ofereceu dinheiro, tentando colocar a m√£o no meu ombro, mas me esquivei.

Sofria violência

Mesmo trabalhando muito na adolescência, arrumávamos tempo para sair, ir às discotecas, namorar. Aos 19 anos, entrei em uma relação abusiva. Me apaixonei e fui morar com ele. Mas sofria violência física, verbal e psicológica. Era muito vulnerável e fácil de manipular. Quando percebi e quis terminar, ele ameaçou a mim e minha família de morte. Tinha medo de ir embora.

Foi um amigo do meu irmão que me ajudou a fugir dessa relação, levando só a roupa do corpo e uma malinha. Fui para um hotel. Paguei diárias adiantadas com o dinheiro que tinha economizado, até conseguir um emprego.

Nessa época, eu e a Deise arrumamos trabalho como caseiras em uma mansão. Morávamos nos fundos, com minha mãe e meu sobrinho. Deise era cozinheira, cuidava das roupas e eu, a arrumadeira.

Fiz curso de datilografia pois meu sonho era ser recepcionista. Nessa fase, comecei a namorar o Rodrigo, que conheci em uma balada. Foi amor à primeira vista e me sentia segura com ele, que era muito carinhoso. Foram quase 14 anos de idas e vindas.

Ele me incentivou a voltar a estudar e, aos 24 anos, retornei ao banco escolar, dessa vez no supletivo (atual EJA), à noite, para concluir o antigo ginásio e colegial.

Uma sucessão de tragédias

Consegui o emprego de recepcionista em uma clínica e descobri a possibilidade de fazer faculdade de graça na USP. Mas, nessa fase, passei por dois lutos. Minha mãe foi atropelada, quebrou o joelho e ficou em estado de choque. Faleceu no hospital psiquiátrico, vítima de embolia.

No ano seguinte, um sobrinho de 18 anos foi assassinado. Não soubemos o porquê, apenas que houve uma briga. Fiz o reconhecimento do corpo com não sei quantos tiros.

Quase parei novamente de estudar pois tive s√≠ndrome do p√Ęnico. Fui para a terapia. Eram muitos traumas, uma sucess√£o de trag√©dias.

Quando terminei o ensino m√©dio, outro irm√£o, S√©rgio, morreu devido a um tumor na cabe√ßa. A s√≠ndrome do p√Ęnico voltou. Tinha taquicardia, come√ßava a suar, a press√£o baixava, um horror.

Ex-doméstica Kátia Giovana Costa Lima retomou estudos aos 24 anos e hoje, aos 55, faz doutorado na USP.

Vocação de professora

Fiquei um tempo desempregada e acabei indo para a √°rea de telemarketing. Esse emprego mudou minha vida e fortaleceu meu sonho de fazer faculdade.

Entrei no cursinho e tentei vestibular por sete anos. Nos três primeiros, queria cursar direito. Fui demitida e, com o desemprego, fiquei doente, parei o cursinho, mas estudava pelas apostilas.

De novo, tive s√≠ndrome do p√Ęnico, que apareceu junto com uma a√ß√£o de despejo. Na igreja que eu frequentava, havia o projeto de uma miniag√™ncia de emprego. O bispo me convidou a trabalhar ali. Comecei a elaborar cursos de atendimento, gostava de ensinar as pessoas. O trabalho social me despertou para a voca√ß√£o de professora.

Tentei letras e entrei na USP. Foi minha irm√£ Ilda quem me ligou cedo me dando os parab√©ns. Estou com o jornal nas m√£os. Voc√™ passou!, ela disse. N√£o sabia se ria, chorava, gritava ou pulava. Foi maravilhoso. Foi uma sensa√ß√£o √ļnica.

Logo consegui um estágio em escola e, em 2010, aos 43 anos, me formei e fui contratada como professora pelo estado. Assim que terminei o curso de letras, fiz iniciação científica, terminei o mestrado em 2014 e, em 2021, comecei o doutorado. Tem sido uma transformação.

Na igreja, me especializei em atender famílias enlutadas. Sou pastora, também escrevi um romance e agora busco editora.

Com sete amigas, ainda fundei o Instituto Pérolas Empreendedoras, no ano passado, para auxiliar mulheres em situação de vulnerabilidade e jovens a empreender e conquistar seus objetivos de vida. Entendo a dor dessas pessoas.

"Podemos transformar vidas por meio da educação e deixar um legado."

Fonte: Uol
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados