Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 23/03/2015 - Grupo varre a internet à caça de racismo e preconceito contra domésticas
23/03/2015 - Grupo varre a internet à caça de racismo e preconceito contra domésticas

Criada para denunciar manifestações preconceituosas na rede, a comunidade A Minha Empregada ganhou 17 mil seguidores no Facebook e 2 mil no Twitter

A jovem C. A., de Uberlândia (MG), usou as redes sociais para compartilhar uma piada com os amigos. Em tom de charada, postou na sua conta no Twitter: “Sabe quanto tempo uma empregada negra demora para colocar o lixo pra fora?”. A resposta dada por ela própria assusta: “nove meses”. Criticada por parte dos internautas que se depararam com o tweet, rebateu: “Isso é só uma piadinha, acalme se (sic)”. Em seguida, acrescentou que não está preocupada em ser denunciada por racismo: “Eu respondo pelas minhas atitudes baby”.

As afirmações de C. estão entre os tweets reunidos por uma comunidade criada no Facebook e no Twitter para denunciar casos de preconceito contra empregadas domésticas na rede. Sob o título A Minha Empregada, o grupo tem 17 mil seguidores no Twitter e 2 mil no Facebook. A descrição da página é objetiva: “Chibatada é serventia da casa (contém ironia e tristeza na batalha contra a imbecilidade e o preconceito”. O iG tentou contato com os organizadores da comunidade, mas não teve retorno.

A imensa maioria das mensagens denunciadas contém xingamentos como “puta”, “trouxa”, “gorda”, “fedida”, “desgraçada” e “favelada”. É recorrente a torcida para que as empregadas “morram”. Com um coraçãozinho no lugar de seu nome no Twitter, uma das pessoas dispara: “a vadia da minha empregada quebrou o meu óculos, FDP tomara que morra”. Outra jovem, J., engata: “minha empregada é uma folgada, abusada, que não me respeita e deveria morrer! ARGH !!!!!!!”.

Após serem procuradas pelo iG, apenas J. respondeu o contato, mas se recusou a conversar com a reportagem. “kkkk mamãe me ensinou a não conversar com estranhos moça”, explicou, após escrever “KKKK F... PESSOAL É HOJE QUE ENTRO EM CANA”.

Informada pela reportagem do iG sobre a página, a procuradora Lisyane Chaves Motta, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação do Trabalho, diz que o Ministério Público do Trabalho tomará providências quanto ao assunto. Ela descreve como “repugnante” a postura de C. e de outros internautas e compara o comportamento ao bullying praticado nas escolas. “É um retrocesso muito grande usar a internet, uma ferramenta tão importante, para destilar preconceitos. Não importa se é criança, adolescente. Está errado e tem que ser reprimido desde pequenininho. É preciso aprender a respeitar a diversidade desde cedo”, defende.

Segundo ela, o material tem de ser retirado do ar. “Existem casos de comentários ofensivos em que o provedor do site é responsabilizado por aquele conteúdo e se entra com uma ação civil. Eu já vi casos no Ministério Público Estadual, no Ministério Público Federal, mas nós não tivemos ainda um caso na área do Trabalho. É a primeira vez que eu vejo uma denúncia relacionada com a questão de ofensa a trabalhadores na internet – já que a doméstica é uma trabalhadora, embora a própria demora do Congresso Nacional em regulamentar seus direitos seja mais um exemplo da resistência social em se reconhecê-las assim”, diz Lisyane.

Ao ver o post de C., a deputada federal e ex-empregada doméstica Benedita da Silva (PT-RJ) se emocionou. “Essa pessoa não vê ainda uma empregada, principalmente uma empregada negra, como uma pessoa, como gente igual a ela. Sendo que essa empregada é necessária para limpar a sujeira que ela mesma fez, pra cuidar, para fazer a comida, levar a criança no parque, acordar de manhã com carinho”, criticou, em meio a lágrimas. “Dizem que nós negros somos sujos, mas nós negros sempre trabalhamos para limpar a sujeira dos outros”, prosseguiu a ex-governadora do Rio de Janeiro.

Presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, a empregada Creuza Maria Oliveira conta que a internet hoje serve para veicular agressões que ocorrem dentro das casas. “A gente que vive esse dia a dia já tem ideia das coisas. Quem trabalhou ou trabalha como empregada doméstica sabe quantas coisas racistas a gente ouve, comentários, frases, xingamentos. Já aconteceu muito comigo mesma, fui chamada de burra, ignorante, porta”, diz a baiana. “Quando era menina, já trabalhava nas casas das pessoas, e nunca ouvi nenhuma palavra de incentivo, de resgate da autoestima, de valorização. Ao contrário, eram sempre palavras negativas, discriminatórias. Eu tinha dez anos.”

De acordo com a empregada, entretanto, denunciar as agressões no ambiente doméstico é ainda mais difícil do que no ambiente virtual. “Dentro da casa dos patrões e das patroas é tão difícil provar o que acontece, porque só quem está dentro da casa é que está vendo. A gente só tem como provar as agressões quando fica a marca de uma violência física, mas até isso é difícil de provar.” Ao ver os comentários virtuais, Creuza defendeu que eles fossem proibidos. “Na internet, tinha de ter um jeito de bloquear isso. Imagina os adolescentes, que passam a maior parte do tempo lá, vendo uma coisa dessas. Que formação que ele está tendo, achando que isso pode ser dito assim? Estão deseducando essas crianças, ensinando que é para eles continuarem praticando o que seus pais praticam: racismo, ódio, machismo e preconceito.

Liberdade de expressão

Um dos argumentos normalmente utilizados por aqueles que fazem esse tipo de comentários e piadas é que seriam apenas opiniões, parte de seu direito à liberdade de expressão. “Você tem o direito de não gostar, de não concordar, mas isso não priva alguém de expressar sua opinião”, disse, por exemplo, o internauta T., ao defender C. no Twitter. Segundo ele, só no caso de “alguma agressão verbal direta” é que caberia alguma punição.

De acordo com o procurador da República em São Paulo Walter Claudius Rothemburg, membro do Núcleo de Apoio Operacional à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, essa compreensão é relativa. Ele diz que, ao mesmo tempo em que o Ministério Público deve trabalhar para preservar a liberdade de expressão, o órgão também precisa cobrar a “responsabilidade de expressão”.

“A gente parte do pressuposto de que vivemos numa democracia e que ideias idiotas devem ser combatidas com boas ideias. Por isso, o Ministério Público não deve exercer de forma leviana uma polícia moral. Mas tem limites”, explica. “Quando você usa critérios de discriminação étnica, racial, de gênero e de identidade sexual, por exemplo, há uma suspeita. A gente diz: alerta, mais cuidado, porque são parcelas da sociedade que tradicionalmente são mais oprimidas e vulneráveis. Nesses casos, a presunção inverte um pouquinho. Aí, a pessoa que se valeu da sua liberdade de expressão é que tem o ônus de justificar que ela não quis discriminar, que apenas quis externar uma opinião. Do ponto de vista jurídico, isso é muito importante, porque de repente quem tem que provar não é a pessoa que se sentiu ofendida e sim o outro lado.”

Dizendo-se pessoalmente ofendida, Creuza também questiona os limites do que é dito e publicado. “Depois de mais de 100 anos da abolição da escravidão, em que a gente vem lutando por direitos iguais do ser humano, as pessoas usam essa coisa da liberdade de expressão para se dar o direito de cometer racismo, homofobia, machismo e vários tipos de preconceito contra alguém que tá dentro da casa dela. Você imagina a mente dessa pessoa e o que as pessoas que trabalham ali não passam? Como devem ser tratadas, todos os dias? São pessoas que não deveriam viver nesse mundo”, desabafa.

A promotora do trabalho Lisyane tem opinião semelhante. “O limite da liberdade de expressão é a dignidade da pessoa humana. Esse argumento não pode ser usado para promover apologia ao ódio”, diz a promotora. Ela pede, ainda, para que internautas denunciem ao site do Ministério Público do Trabalho outros casos semelhantes.

Clique aqui para ver a reportagem completa.

Fonte: IG
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados