Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 15/04/2015 - Relator flexibiliza MP do ajuste fiscal que muda seguro-desemprego
15/04/2015 - Relator flexibiliza MP do ajuste fiscal que muda seguro-desemprego

Senador Paulo Rocha (PT-PA) negociou com governo e centrais sindicais.
Texto foi lido nesta terça em comissão especial e pode ser votado na quarta.

Fernanda CalgaroDo G1, em Brasília


Após negociar com o governo e as centrais sindicais, o senador Paulo Rocha (PT-PA), relator da medida provisória que altera o acesso ao seguro-desemprego, seguro-defeso e abono salarial, apresentou nesta terça-feira (14) um parecer mais brando, que altera o texto enviado ao Congresso pela presidente Dilma Rousseff.
A MP é uma das medidas provisórias enviadas pelo governo ao Congresso a fim de viabilizar o ajuste fiscal destinado a equilibrar as contas públicas. A outra é uma MP que torna mais rigoroso o acesso a pensão por morte e auxílio-doença.
Segundo Paulo Rocha, como é praxe, foi concedido um pedido de vista coletivo para dar mais tempo aos parlamentares analisarem o seu texto. A expectativa é que a discussão seja retomada na quarta (15). “Se houver espaço, já votamos”, explicou.
“Conversei com o governo, que aceitou ceder, e com as centrais sindicais para chegar a um consenso”, disse Rocha, que leu o seu relatório na comissão mista que discute a medida provisória.
O relatório determina que o trabalhador terá direito ao seguro-desemprego se tiver trabalhado por pelo menos 12 meses nos últimos dois anos. O prazo inicial proposto pelo governo era de 18 meses. Antes, o trabalhador precisava de apenas seis meses.
Para poder pedir o benefício pela segunda vez, o relatório estipula que o trabalhador tenha nove meses de atividade. Antes, esse prazo exigido era de seis meses de trabalho, e o governo queria ampliar para 12 meses. O relatório mantém a regra prevista na MP (seis meses) se o trabalhador requisitar o benefício pela terceira vez.
Em relação ao abono salarial, Rocha propõe que o trabalhador que recebe até dois salários mínimos deverá ter trabalhado por três meses para ter direito ao benefício. O texto do Executivo exigia seis meses. Na regra anterior, o prazo era de um mês.
Para o seguro-defeso, pago ao pescador durante o período em que a pesca é proibida, o senador manteve a mesma regra até então vigente – o pescador necessita ter ao menos um ano de registro na categoria. A intenção do governo era aumentar essa exigência para três anos.

Fonte: G1
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados