Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 24/08/2015 - Desemprego tem maior taxa para o mês de julho em seis anos Em um ano taxa subiu de 4,9% para 7,5%, no sétimo mês seguido de alta. Na contramão, mercado de empregadas domésticas não para de contratar.
24/08/2015 - Desemprego tem maior taxa para o mês de julho em seis anos Em um ano taxa subiu de 4,9% para 7,5%, no sétimo mês seguido de alta. Na contramão, mercado de empregadas domésticas não para de contratar.

O desemprego subiu rápido e está durando mais tempo nas seis principais regiões metropolitanas, o que não é comum nessa época do ano. Em um ano a taxa subiu de 4,9% para 7,5%, foi o sétimo mês seguido de alta, o que dá um aumento de 56% no desemprego. É a maior taxa para o mês de julho em 6 anos.
Essa foi a primeira vez em 12 anos que o trabalho com carteira assinada no setor privado caiu. Isso mostra uma tendência de alta do mercado informal.
Setor aquecido
Na contramão, tem um mercado que está crescendo e que não para de contratar: o mercado de empregadas domésticas, de diaristas. Os novos direitos, que agora são reconhecidos em lei, estão atraindo trabalhadores até de outros setores.
Maria Laura trabalha fora e nem sempre consegue deixar a casa em ordem. A publicitária bem que tentou contratar uma empregada doméstica para ir todos os dias, mas quem disse que encontrou. ”Está difícil encontrar no mercado, você não encontra muito fácil”, diz.
Quem é que não gosta de ficar em casa com tudo limpinho, tudo organizado? Mas muita gente não gosta de fazer esse serviço doméstico ou trabalha fora e não tem tempo. Quem se dispõe a passar, lavar e limpar não fica parado não.
O setor de serviços domésticos é um dos poucos que não estão demitindo. Em julho, o número de contratações aumentou em relação ao mesmo período do ano passado.
"Não teve queda, não teve reclamação nenhuma de que está faltando emprego", afirma a diretora do Sindicato de Trabalhadores Doméstico Beloni Passoni.
O especialista em mercado de trabalho Cleber Magalhães explica por que o setor está aquecido: “Isso se deve a dois fatores: primeiro que é o PEC das Domésticas, que reconhece a ela praticamente 20 direitos legais, então isso passa a ser legalizado como qualquer outra profissão. E no segundo momento, é que as famílias continuam trabalhando fora, né? E precisa de alguém que zele pelos cuidados do lar”, explica.
Edna Bezerra começou a trabalhar como diarista há dez anos e nunca mais ficou desempregada. Ela tem serviço todos os dias e vive dispensando novas ofertas: “Tem gente que me liga esperando se eu tenho uma folga, se eu vou ter algum dia disponível: ‘Assim que você tiver um dia você me liga’. Então tem gente me esperando na fila”, relata.
A Edna já trabalhou como costureira, com carteira assinada e tudo. Mas pergunta o que ela prefere: “Hoje eu estou ganhando bem mais do que com carteira assinada. Faço meu horário, se eu preciso ir no médico o patrão me libera, não tenho problema nenhum”, afirma.
Fonte:Globo.com
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados