Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 20/01/2016 - Piso salarial dos empregados dom√©sticos tem reajuste de 12,10% e fica em R$ 1.065
20/01/2016 - Piso salarial dos empregados domésticos tem reajuste de 12,10% e fica em R$ 1.065

Desde 1¬ļ de janeiro, j√° est√° em vigor o reajuste do piso salarial para os empregados dom√©sticos em Sorocaba, que foi definido em conven√ß√£o coletiva entre o Sindicato das Empregadas e Trabalhadores Dom√©sticos de Sorocaba e Regi√£o (Sindom√©stica Sorocaba) e o Sindicato dos Empregadores de Campinas e Regi√£o (Sedcar). O piso passa a ser de R$ 1.065. Em 2015, era de R$ 950, portanto um reajuste de 12,10%. No entanto, h√° pisos diferenciados para profissionais que moram no local de trabalho, como bab√°, cozinheira, cuidador de idoso, motorista, copeiro, caseiro, mordomo, jardineiro e governanta. No ano passado, houve confus√£o porque o sal√°rio m√≠nimo paulista era de R$ 905 e muitos patr√Ķes pensaram que era esse o piso para as dom√©sticas. O m√≠nimo paulista, na faixa 1, dever√° ser de R$ 1 mil em 2016. De acordo com a conven√ß√£o, esse sal√°rio √© para empregados dom√©sticos com jornada de trabalho de oito horas di√°rias e 44 horas semanais, j√° inclu√≠dos os descansos semanais remunerados. Para os empregados que moram no local de trabalho, foi estabelecido um piso salarial diferenciado (veja quadro nesta p√°gina). Segundo o Sedcar, aos sal√°rios foi aplicada, a t√≠tulo de reajuste salarial, a infla√ß√£o medida pelo √ćndice Nacional de Pre√ßos ao Consumidor (INPC) apurado nos √ļltimos 12 meses (10,96%) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE). Com rela√ß√£o √† alimenta√ß√£o, o empregador dom√©stico dever√° fornecer a refei√ß√£o ao empregado diretamente no local de trabalho, sendo facultado ao empregador, alternativamente, o fornecimento de cesta b√°sica em esp√©cie no valor de R$ 115. A Conven√ß√£o Coletiva de Trabalho prev√™ adicional por ac√ļmulo de fun√ß√Ķes, desde que devidamente autorizado pelo empregador. O empregado que exercer cumulativa e habitualmente outra fun√ß√£o ter√° direito ao percentual de adicional correspondente a 20% do respectivo sal√°rio contratual. A norma coletiva determina, ainda, que os empregadores s√£o obrigados a cumprir rigorosamente os prazos estabelecidos, sob pena de multa e de outras penalidades fixadas pela conven√ß√£o. No caso de descumprimento de qualquer uma das demais cl√°usulas ou disposi√ß√Ķes, sem preju√≠zo de outros direitos, o empregador pagar√° em favor do empregado prejudicado e para cada infra√ß√£o cometida multa de 20% do sal√°rio m√≠nimo federal vigente no pa√≠s.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados