Documento sem título
     
 
 
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Benefícios

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 27/06/2016 - Financial Times’ critica a cultura da ajuda domĂ©stica no Brasil
27/06/2016 - Financial Times’ critica a cultura da ajuda doméstica no Brasil

Nesta quinta-feira, 23, o Financial Times publicou um artigo em que aponta as contradições entre o costume dos brasileiros de contratar ajuda doméstica e a luta pela igualdade entre classes no país.
Na matéria intitulada “Brasil faz excesso parecer brincadeira de criança” (em tradução livre), a colunista Samantha Pearson faz uma análise dos hábitos culturais do país, usando como exemplo a insistência de sua sogra brasileira de que ela contratasse garçons para a festa de um ano de seu filho, o que Samantha julga uma extravagância desnecessária.
O artigo levanta a ideia de que tais costumes devem estar à beira da extinção, considerando-se o fato de que o país passa pela sua pior recessão. Para Pearson, os exércitos de funcionários domésticos são incompatíveis com a cobiçada igualdade social.
Atentando para o debate que a nomeação de um gabinete exclusivamente masculino e branco pelo presidente interino Michel Temer iniciou, a correspondente do FT no Brasil lembrou o caso da revolta que a foto de um casal, a caminho de uma manifestação pelo impeachment de Dilma Rousseff, acompanhado pela babá negra e uniformizada empurrando os carrinhos dos filhos provocou. Além disso, ela cita, ainda, o caso da babá que não pôde usar o banheiro do Country Club em Ipanema, no Rio de Janeiro.
“O país”, diz o artigo, “tem cerca de sete milhões de trabalhadores domésticos, de acordo com um estudo de 2013 pelo International Labour Office”. Segundo o estudo, uma em cada seis trabalhadoras está atualmente empregada como funcionária doméstica no Brasil. O número é ainda mais alto entre as mulheres negras.
“Para ser justa, os patrões – especialmente aqueles que constantemente viajam para fora do país – ficam pelo menos um pouco tímidos sobre seus estilos de vida aristocráticos quando perguntados. No entanto, não está claro o quão dispostos eles estão a abrir mão disso. O mesmo pode ser dito da corrupção: enquanto os brasileiros reclamam sobre os políticos ladrões, a quantidade de quebra de regras que acontece no dia a dia em todos os níveis sociais é impressionante.”

Fonte: Opiniaoenoticia.com.br
 
 
Documento sem título
Endereço:
Av. Casper Líbero, 383, 2° andar, sala 2d
Centro - São Paulo/SP (Próx. a Estação da Luz)
CEP: 01033-001
 
Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados