Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 14/10/2016 - Testemunha que n√£o comparece √† audi√™ncia deve ser intimada para depor em outro momento para n√£o caracterizar cerceio de defesa
14/10/2016 - Testemunha que não comparece à audiência deve ser intimada para depor em outro momento para não caracterizar cerceio de defesa

A testemunha convidada para depor que não comparece à audiência deverá ser intimada para comparecer em momento posterior, sob pena de condução coercitiva. Incorrerá em cerceamento de defesa o juiz que, ao invés de determinar a intimação da testemunha ausente, declarar precluso o direito da parte de produzir a prova testemunhal. Essa foi justamente a situação encontrada pela 4ª Turma do TRT mineiro, ao acolher a preliminar de nulidade da sentença por cerceio de defesa, arguida no recurso de um trabalhador.

Na audi√™ncia inaugural, o juiz de primeiro grau determinou que as partes comparecessem na data marcada √† audi√™ncia de instru√ß√£o para depor, "sob pena de confiss√£o", quando tamb√©m deveriam levar suas testemunhas, nos termos do art. 825 da CLT, "sob pena de preclus√£o da prova". Mas, como as testemunhas convidadas pelo trabalhador n√£o compareceram, ele requereu o adiamento da audi√™ncia para que elas fossem ouvidas depois, o que foi indeferido pelo juiz de primeiro grau. E, mesmo ap√≥s a apresenta√ß√£o dos ARs (avisos de recebimento) comprovando o envio das comunica√ß√Ķes √†s testemunhas ausentes, o juiz declarou a preclus√£o do direito do reclamante de produzir a prova testemunhal.

Para a desembargadora Maria L√ļcia Cardoso de Magalh√£es, relatora do recurso do trabalhador, o procedimento do juiz de primeiro grau foi equivocado, j√° que violou o direito de defesa do trabalhador.

De acordo com a relatora, a melhor interpreta√ß√£o que se pode dar ao artigo 825 da CLT √© no sentido de que, no processo do trabalho, as testemunhas devem comparecer √† audi√™ncia juntamente com as partes, independentemente de intima√ß√£o, sendo desnecess√°rio o arrolamento pr√©vio. Entretanto, se as testemunhas n√£o comparecem, devem ser intimadas para depor em momento posterior, sob pena de condu√ß√£o coercitiva. Essa regra celetista, na vis√£o da desembargadora e ao contr√°rio do decidido na senten√ßa, n√£o permite que se considere preclusa a produ√ß√£o de prova oral. Isso porque o artigo 412, ¬ß 1¬ļ, do CPC, vigente √† √©poca e que previa a preclus√£o, n√£o se aplica ao processo do trabalho, justamente em raz√£o da exist√™ncia de regra pr√≥pria da CLT sobre a mat√©ria.

Nesse contexto, a relatora concluiu que o indeferimento do adiamento da audiência para a regular intimação das testemunhas, assim como a declaração de preclusão do direito do reclamante de produzir a prova testemunhal, ofendeu diretamente as garantias do devido processo legal, caracterizando nítido cerceamento de defesa.

A convic√ß√£o da desembargadora sobre a exist√™ncia da nulidade por cerceio de defesa foi ainda mais refor√ßada diante do evidente preju√≠zo que a aus√™ncia da prova testemunhal causou ao reclamante. √Č que todos os pedidos pretendidos pelo trabalhador exigiam prova essencial para a demonstra√ß√£o dos fatos por ele afirmados e a falta dessa prova acabou levando √† improced√™ncia da a√ß√£o.

"Embora a prova seja dirigida ao juiz e somente ele possa analisar a necessidade ou não de sua realização, de sua renovação ou complementação (CPC, art. 130 e NCPC, art. 370), a liberdade de condução da instrução do processo para excluir ou restringir a produção de provas tem como limite o cerceamento de defesa, que ocorre quando se impede que a parte demonstre, por meio legal, fato controverso. Afinal, ao juiz cabe a direção do processo, mas não se pode perder de vista também o fato de que a Constituição Federal assegura aos litigantes a plenitude da prestação jurisdicional (C.F., art. 93, IX), o devido processo legal, bem como o direito ao contraditório e à ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes (C.F., art. 5o, LV)", finalizou a relatora.

Adotando esses fundamentos, a Turma revisora deu provimento ao recurso do trabalhador, para acolher a preliminar de nulidade, por cerceamento do direito de defesa, sendo declarados nulos todos os atos processuais a partir da audiência de instrução e julgamento, exceto os depoimentos pessoais das partes (art. 282/NCPC). Assim, foi determinado o retorno dos autos à Vara de origem para a reabertura da instrução processual e a oitiva das testemunhas das partes, para que, só então, nova sentença seja proferida.

(0000182-29.2015.5.03.0138 RO)

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho - 3ª Região
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados