Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 17/11/2016 - Cresce numero de domésticos registrados
17/11/2016 - Cresce numero de domésticos registrados

Em vigor há um ano, a Lei dos Domésticos aumentou o número de contribuições, dentro da categoria, para a Previdência Social em 40%. Segundo dados da Previdência Social, da Secretaria de Políticas de Previdência Social do Ministério da Fazenda, a proteção social alcança atualmente mais de 1,7 milhões de empregados domésticos. O Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Apucarana e Região estima que, com a nova lei, houve um aumento expressivo de registro de empregados domésticos. “Não temos números absolutos, mas estimamos algo entre 25 a 30%”, calcula a presidente do sindicato Odete Maria de Jesus.

Diarista há doze anos, a araponguense Celina Gonçalves Pereira, de 38 anos, é um exemplo de trabalhador doméstico que teve a situação regularizada com a nova lei. “Eu trabalhava como diarista todos os dias da semana.Com a lei, uma das minhas patroas, que eu trabalhava duas vezes na semana, perguntou se eu gostaria de passar a trabalhar por mês”, comenta.


Celina aceitou e há cerca de um ano trabalha com carteira assinada. “É um salário bom. Tenho todos os meus direitos garantidos, o que traz mais segurança. Como diarista, apesar de ganhar um pouco a mais, não tinha garantia nenhuma nem se eu ficasse doente. Também não tinha férias nem 13º salário”, observa. A empregada doméstica avalia que, além da garantia social, o trabalho fixo é menos cansativo. “Como trabalho todos os dias em uma mesma casa, eu consigo organizar melhor o serviço que tenho que fazer. Tem hora para entrar e sair. Agora, como diarista é mais difícil. Não tem horário certo para sair”, diz.

Com a situação estável durante a semana, Celina ainda não abriu mão completamente das diárias. Ela aproveita os sábados para complementar a renda. “Continuo fazendo diárias aos sábados. É um dinheiro a mais no fim do mês”, afirma. Na avaliação da presidente do sindicato, os patrões têm procurado regularizar a situação. “A maioria entende que é melhor regularizar a situação a ter que acertar as contas trabalhistas depois, porque tem multas”, comenta. Para os empregados domésticos, Maria Odete comenta que a lei trouxe segurança social.

“Os direitos são garantidos, como hora extra, 13º salário e férias. Ao contrário do que comentavam no início, não houve demissões, as pessoas que têm um empregado doméstico estão procurando regularizar a situação”, diz. AVANÇO A especialista de direitos e princípios fundamentais do trabalho, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Thais Dumet Faria, reconhece que houve um avanço com a lei, porém “um avanço bastante tardio”. Segundo Thais, a Lei das Domésticas vem provocando mudanças de comportamento e cultura no país, mas seria fundamental uma sinalização do Brasil em relação à convenção 189 da OIT [Organização Internacional do Trabalho], que estabelece diretrizes para condições decentes de trabalho.

“A convenção 189 dá garantia política, social, muda imagem de um país ao dizer que reconhece que são categoria do mesmo grau e importância que outra. Essa é a mensagem central. A convenção diz: a gente não vai voltar atrás. Por isto, é fundamental que entre logo em pauta”, afirma.

Fonte: Agencia Brasil
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados