Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 15/02/2017- Diarista que trabalhou por 15 anos em condom√≠nio tem v√≠nculo de emprego negado
15/02/2017- Diarista que trabalhou por 15 anos em condomínio tem vínculo de emprego negado

Por unanimidade, a Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul afastou o vínculo de emprego de uma diarista que durante 15 anos fez faxina em um condomínio de quitinetes, na Capital. A Segunda Vara do Trabalho de Campo Grande havia reconhecido o vínculo e condenado o patrão a assinar a carteira de trabalho e pagar todos os direitos trabalhistas.

A diarista alegou ter trabalhado como zeladora de um pr√©dio de apartamentos para loca√ß√£o, sem registro na CTPS, e que recebia R$ 150 por m√™s e trabalhava tr√™s dias por semana. J√° o empregador afirmou que a reclamante n√£o trabalhava como zeladora, sendo respons√°vel apenas pela limpeza da √°rea comum do im√≥vel uma vez por semana, mediante pagamento de R$ 35,00 por dia, os quais eram pagos mensalmente, a pedido da trabalhadora. O reclamado informou, ainda, que a reclamante tinha liberdade para escolher o dia e os hor√°rios de trabalho e que tinha outras atividades laborais, al√©m de fazer faxina para alguns cond√īminos.

De acordo com a Consolida√ß√£o das Leis do Trabalho (CLT) o empregador √© aquele que, "assumindo os riscos da atividade econ√īmica, admite, assalaria e dirige a presta√ß√£o pessoal de servi√ßo". J√° o empregado √© toda pessoa f√≠sica que presta servi√ßos de natureza n√£o eventual a empregador, sob a depend√™ncia deste e mediante sal√°rio.

O relator do recurso, Desembargador Nicanor de Ara√ļjo Lima, explicou no voto que esses requisitos previstos na CLT devem estar presentes para configurar a rela√ß√£o de emprego, sendo eles a pessoalidade, onerosidade, n√£o eventualidade e subordina√ß√£o jur√≠dica.

"A autora tinha total autonomia na condução do seu trabalho, ou seja, poderia realizar suas atividades em prol do réu em dia e hora que melhor lhe conviesse. A propósito, não é crível que após longa data prestando serviço ao réu (março de 1997, conforme informado na inicial) somente agora a autora procure esta Justiça Especializada a fim de ver reconhecido o vínculo de emprego", afirmou o magistrado.

O relator tamb√©m esclareceu que a reclamante n√£o contestou o fato de jamais ter tirado f√©rias ou recebido o 13¬ļ sal√°rio, o que ratifica o fato de ser apenas diarista. "Ante o exposto, ausentes os requisitos f√°ticos e formais h√°beis para a configura√ß√£o do liame empregat√≠cio, dou provimento ao recurso para afastar o v√≠nculo de emprego reconhecido na origem", concluiu o des. Nicanor.

PROCESSO N¬ļ 0026058-55.2014.5.24.0002 - RO

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho - 24ª Região
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados