Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 28/03/2017 - Trabalhadora que recebeu seguro-desemprego e continuou trabalhando poder√° ser responsabilizada criminalmente
28/03/2017 - Trabalhadora que recebeu seguro-desemprego e continuou trabalhando poder√° ser responsabilizada criminalmente

Uma trabalhadora que reconheceu em ju√≠zo que recebeu o seguro-desemprego ap√≥s uma dispensa fict√≠cia e continuou trabalhando poder√° vir a responder criminalmente pela fraude praticada. Com base no artigo 40 do C√≥digo de Processo Penal, a ju√≠za Maria Tereza da Costa Machado Le√£o, titular da 25¬™ Vara do Trabalho de Belo Horizonte, determinou a expedi√ß√£o de of√≠cio ao Minist√©rio P√ļblico Federal e ao Minist√©rio do Trabalho, para as provid√™ncias cab√≠veis.

De acordo com o dispositivo em quest√£o, ju√≠zes e tribunais devem remeter ao Minist√©rio P√ļblico as c√≥pias e os documentos necess√°rios ao oferecimento da den√ļncia quando constatarem a exist√™ncia de crime de a√ß√£o p√ļblica. No caso, o recebimento do seguro-desemprego enquanto estava trabalhando sem carteira assinada foi informado pela trabalhadora em depoimento prestado durante a instru√ß√£o do feito. A conduta pode vir a ser enquadrada como crime de estelionato.

Nesse sentido, o artigo 171 do C√≥digo Penal prev√™ como crime "obter, para si ou para outrem, vantagem il√≠cita, em preju√≠zo alheio, induzindo ou mantendo algu√©m em erro, mediante artif√≠cio, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento‚ÄĚ. Por sua vez, o par√°grafo 3¬ļ estabelece que ‚Äúa pena aumenta-se de um ter√ßo, se o crime √© cometido em detrimento de entidade de direito p√ļblico ou de instituto de economia popular, assist√™ncia social ou benefic√™ncia‚ÄĚ.

Na tentativa de justificar a conduta, a trabalhadora alegou na inicial que "n√£o vislumbrou qualquer impedimento ou irregularidade em sacar seu FGTS e dar entrada no seguro-desemprego, cujo procedimento ocorreu em 18/02/14‚ÄĚ. Mas o argumento n√£o convenceu a ju√≠za, que entendeu que ela deveria ter comunicado ao Minist√©rio do Trabalho a dispensa do benef√≠cio, pois n√£o estava de fato desempregada.

No processo, ficou demonstrado que a reclamante trabalhou para a construtora reclamada no per√≠odo de 15/5/11 a 24/1/14 com carteira assinada. A partir da√≠, at√© 2/4/15, permaneceu trabalhando sem a anota√ß√£o da CTPS. Al√©m da corre√ß√£o da data de sa√≠da na carteira de trabalho, a ju√≠za determinou que a ex-empregadora cumpra obriga√ß√Ķes relacionadas √† rescis√£o do contrato, deduzindo-se valores j√° pagos relativamente ao per√≠odo do aviso pr√©vio indenizado e proje√ß√Ķes. Ainda cabe recurso da decis√£o.


Processo

PJe: 0011309-12.2015.5.03.0025 ‚ÄĒ Senten√ßa em 21/02/2017
Fonte :TRT 3
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados