Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 19/06/2017 - TST: Doméstica ganha hora extra antes de regulamentação
19/06/2017 - TST: Doméstica ganha hora extra antes de regulamentação

A 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou um empresário de Divinópolis (MG) a pagar horas extras a uma empregada doméstica a partir da vigência da Emenda Constitucional 72/2013, que limitou a jornada do trabalhador doméstico a oito horas diárias ou 44 horas semanais. E não – como queria o patrão – só a partir da regulamentação daquela emenda por lei complementar, o que só correu em junho de 2015.

Como consta do acórdão já publicado do julgamento, “a partir da Emenda Constitucional nº 72/2013, norma autoaplicável, ficou assegurado o direito ao recebimento de horas extras aos trabalhadores domésticos (arts. 7º, XIII, da Constituição Federal), com a alteração do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal”.

A decisão unânime da turma do TST foi tomada no julgamento de recurso de revista da empregada que prestava serviços na casa do empresário, reformando a sentença do juiz de primeiro grau e também o acórdão do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que confirmara o entendimento da primeira instância. O contrato de emprego em questão foi encerrado em agosto de 2015.

O pedido da empregada fora indeferido pelo juiz da 2ª Vara do Trabalho de Divinópolis (MG). Apesar de reconhecer que a doméstica prestava serviço por 49 horas semanais, o juiz entendeu que somente com a entrada em vigor da Lei Complementar 150, em 1º/6/2015 é que houve a regulamentação da jornada dos domésticos, sendo a data o marco para se exigir o pagamento das horas extras.

Como o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, sediado em Belo Horizonte, manteve a sentença, a doméstica recorreu ao TST, sob o argumento de que a EC 72/2013, quanto à limitação da jornada, deveria ser aplicada imediatamente após o início de sua vigência, sem a necessidade de regulamentação, por se tratar de garantia fundamental, nos termos do artigo 5º, parágrafo 1º, da Constituição.

No seu voto condutor, a relatora do recurso de revista ao TST, ministra Kátia Arruda, deu razão à doméstica, ao confirmar que a EC 72 é autoaplicável, no que diz respeito ao limite da jornada de trabalho dos empregados domésticos. Assim, não prevalece o entendimento das instâncias inferiores da Justiça trabalhista de que seriam indevidas as horas extras anteriores à publicação da Lei Complementar 150/2015.

“Na forma prevista na Emenda Constitucional 72/2013, que ampliou os direitos sociais dos trabalhadores domésticos, a jornada máxima de 8 horas diárias e 44 semanais já deveria ser observada de imediato”, afirmou a ministra.

Fonte: https://jota.info/trabalho
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados