Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 18/07/2017- Em sentença Juiza de Jundiaí reconhece CCT das Domésticas e manda pagar todas as multas
18/07/2017- Em sentença Juiza de Jundiaí reconhece CCT das Domésticas e manda pagar todas as multas


Disponibilização: segunda-feira, 17 de julho de 2017.
Arquivo: 295
Publicação: 32
1ª VARA DO TRABALHO DE JUNDIAÍ
Sentença Processo Nº RTSum-0010435-92.2017.5.15.0002 AUTOR MARIA APARECIDA MIRANDA ADVOGADO FABIOLA ELIANA FERRARI(OAB: 161543-D/SP) RÉU ANDRE LUIZ BERBEL DE SOUZA ADVOGADO DANIEL MARCELINO(OAB: 149354/SP) Intimado(s)/Citado(s): - ANDRE LUIZ BERBEL DE SOUZA - MARIA APARECIDA MIRANDA Processo: 0010435-92.2017.5.15.0002 AUTOR: MARIA APARECIDA MIRANDA RÉU: ANDRE LUIZ BERBEL DE SOUZA Submetido o feito a julgamento, conforme deliberado em audiência foi proferida a seguinte: SENTENÇA RELATÓRIO DISPENSADO NOS TERMOS DO ARTIGO 852-I DA CLT DECIDE-SE APLICABILIDADE DA CONVENÇÃO COLETIVA O parágrafo único do artigo 7º da CF/88, cuja redação foi determinada pela EC 72, de 2 de abril de 2013, reconhece a validade das convenções e acordos coletivos de trabalho da categoria dos empregados e empregadores domésticos.
Não prosperam, portanto, as argumentações defensivas, sendo plenamente válida a norma coletiva acostada à inicial, que representa legitimamente as partes, inclusive no que tange à base territorial.
INDENIZAÇÃO DA LEI 7.238/84 A ruptura contratual, considerando a projeção ficta do período de pré-aviso, ocorreu em 9/12/2015, no trintídio que antecedeu a data base da categoria profissional (que é 1º de janeiro).
Defere-se, portanto, o pagamento da indenização adicional prevista no artigo 9º da Lei 7.238/84, no importe líquido de 1.100,00. FGTS + 40% O artigo 21 da Lei Complementar 150/2015 estabelece que: "Art. 21. É devida a inclusão do empregado doméstico no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), na forma do regulamento a ser editado pelo Conselho Curador e pelo agente operador do FGTS, no âmbito de suas competências (...). Parágrafo único: O empregador doméstico somente passará a ter obrigação de promover a inscrição e de efetuar os recolhimentos referentes a seu empregado após a entrada em vigor do regulamento referido no caput" (grifei) A lei 5.859/72, que vigeu até 1º/6/2015 e foi revogada pela Lei Complementar supra, facultava a inclusão do empregado doméstico no FGTS, mediante requerimento do empregador, e também na forma do regulamento a ser editado pelo Conselho Curador. O que se observa, portanto, é que a obrigatoriedade do recolhimento esteve sempre condicionada ao regulamento do conselho curador do FGTS, que foi publicado no Diário Oficial da União somente em 28/9/2015.
Nessa esteira, extrai-se do citado regulamento a obrigatoriedade de recolhimento do FGTS somente a partir a competência 10/2015 (id d4d3102).
Inválida, portanto, a cláusula normativa que estabelece a obrigatoriedade de recolhimento do FGTS a partir de 1º/1/2015, eis que contrária a legislação. Nota-se, também, que o reclamado comprovou o regular recolhimento do FGTS das competências 10/2015 e 11/2015 (id cbdbfe3), não tendo a autora impugnado os comprovantes de arrecadação, tampouco apontado eventuais diferenças ainda devidas.
Assim, seja em razão da ausência de obrigação legal de recolhimento do FGTS das competências anteriores a 10/2015, seja em razão da regular quitação do FGTS das competências a partir de 10/2015, a pretensão inicial é improcedente.
Por derradeiro, indefere-se o pagamento da multa compensatória de 40% sobre os depósitos do FGTS, já que não aplicável ao empregado doméstico, nos termos do artigo 22 da Lei Complementar 150/2015.

SEGURO DE VIDA - MULTA NORMATIVA Incontroverso nos autos que o reclamado deixou de fornecer à autora, a partir de março de 2015 e na forma da cláusula 10ª da CCT anexada, seguro de vida. Defere-se, portanto, o pagamento da multa fixada na cláusula 10ª do instrumento coletivo, de 15% do piso salarial da categoria, no importe total de R$ 1.282,50.
JUSTIÇA GRATUITA À vista da declaração de insubsistência de recursos para os custos da demanda, defere-se à reclamante o benefício da gratuidade judiciária, nos termos do art. 790, § 3º, da CLT
. Indefere-se, por outro lado, o pedido de gratuidade judiciária formulado pelo reclamado, uma vez que não consta dos autos declaração de hipossuficiência econômica, na forma do item I da Súmula 463 do C. TST. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS Por estar a reclamante assistida pelo sindicato de sua categoria, encontram-se preenchidos os pressupostos de que trata a Lei 5.584/70 e Súmulas 219 e 329 do C. TST.
Defere-se a verba honorária no importe de 15% sobre o montante líquido da condenação (art. 14 L. 5584/70 c/c art. 11 §1º da L. 1060/50), no valor de R$ 357,37. ATUALIZAÇÃO DOS CRÉDITOS Todos os valores serão atualizados monetariamente até a data do respectivo pagamento. Aplicam-se o art. 459/CLT, parágrafo único, e a Súmula 381/TST, observando-se pagamento dos salários dentro do próprio mês ou dentro do mês subsequente, (data que deverá ser acionada a correção monetária), incidindo juros de mora a partir da data do ajuizamento da ação, observado o disposto no Decreto- Lei 2.322/87 e na Lei 8.177/91, e Súmulas 200 e 307/TST, no que couber. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA E IMPOSTO DE RENDA Diante da natureza indenizatória das parcelas deferidas, não há incidência de contribuição previdenciária e imposto de renda.
ISSO POSTO, Julgam-se PROCEDENTES EM PARTE os pedidos formulados por MARIA APARECIDA MIRANDA em face de ANDRÉ LUIZ BERBEL DE SOUZA, a fim de condenar o reclamado a satisfazer à reclamante as seguintes obrigações: -pagar a indenização adicional prevista no artigo 9º da Lei 7.238/84, no importe líquido de 1.100,00; -pagar a multa fixada na cláusula 10ª do instrumento coletivo, de 15% do piso salarial da categoria, no importe total de R$ 1.282,50.
Tudo na forma e nos limites da fundamentação supra, que fica fazendo parte integrante do presente dispositivo.
A fim de vedar o enriquecimento ilícito por parte da autora, defere- se a dedução dos valores comprovadamente pagos pela ré a idêntico título.
Custas processuais pela reclamada sucumbente, no importe de R$ 47,65, calculadas sobre o valor da condenação, de R$ 2.382,50.
A reclamada deverá arcar, ainda, com os honorários advocatícios, no importe de R$ 357,37. Cumprimento da sentença nos termos do artigo 523 do CPC Tendo em conta a absoluta compatibilidade do instituto capitulado com os preceitos jus trabalhistas e por tratar-se de sentença líquida, após o trânsito em julgado, cite-se o reclamado para pagamento do montante da condenação, acrescido dos honorários advocatícios, no prazo de 15 dias, sob pena de acréscimo da multa de 10%, na forma do § 1º do artigo 523 do CPC e prosseguimento da execução em seus ulteriores termos.
Intimem-se as partes. Jundiaí-SP, 17 de julho de 2017. CAMILA MOURA DE CARVALHO Juíza do Trabalho Substituta

Fonte: TRT 15
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados