Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 17/10/2017 -Vale transporte √© uma obrigatoriedade do empregador?
17/10/2017 -Vale transporte é uma obrigatoriedade do empregador?

Entende-se que o VT deve ser pago a partir de tr√™s pontos de √īnibus percorridos da casa do empregado at√© o local de trabalho

O vale transporte √© um benef√≠cio obrigat√≥rio institu√≠do pela Lei n¬ļ 7.418/85, onde o empregador, seja pessoa f√≠sica ou jur√≠dica, deve fornecer ao empregado com carteira de trabalho assinada, para a utiliza√ß√£o efetiva em despesas de deslocamento da resid√™ncia/trabalho/resid√™ncia, atrav√©s do sistema de transporte coletivo ‚Äď seja urbano, intermunicipal ou interestadual.

Assim que o trabalhador dom√©stico for contratado dever√° informar seu endere√ßo residencial ao empregador e os meios de transporte que utiliza de sua casa at√© o local de trabalho. Caso aja alguma altera√ß√£o de endere√ßo ou aumento de passagem, √© responsabilidade do empregado informar ao patr√£o, para que seja feito o reajuste. √Č preciso que o empregado dom√©stico fa√ßa uma declara√ß√£o de uso ou n√£o uso do benef√≠cio, e atualize-a sempre que for necess√°rio.

No emprego dom√©stico √© permitido que as passagens sejam pagas em dinheiro diretamente ao trabalhador. O empregador deve calcular o valor necess√°rio para cobrir o m√™s todo com base nos meios de transportes utilizados pelo empregado, como por exemplo, √īnibus, trem, metr√ī, barca, entre outros.



Qual a dist√Ęncia m√≠nima que obriga o pagamento de vale-transporte?

Muito se questiona se existe uma dist√Ęncia m√≠nima da resid√™ncia do trabalhador at√© o local de trabalho para a obrigatoriedade do pagamento do VT. Em Minas Gerais, essa quest√£o foi objeto de an√°lise da 10¬™ Turma do TRT, ao acolher recurso de uma trabalhadora que n√£o recebeu vale transporte durante o contrato de trabalho com um restaurante, uma vez que ela residia a 1,3 km do estabelecimento.

Para o juiz de 1¬ļ Grau, o pedido seria indeferido. Mas para a desembargadora Ta√≠sa Maria Macena de Lima, n√£o √© de praxe exigir a trabalhadora que ela fa√ßa o trajeto a p√©, uma vez que ela reside pr√≥ximo ao local de trabalho, e entende-se que o VT deve ser pago a partir de tr√™s pontos de √īnibus percorridos da casa do empregado at√© o local de trabalho. Diante disto, ficou estipulado que o restaurante deveria pagar uma indeniza√ß√£o substitutiva ao vale-transporte n√£o fornecido no curso do contrato de trabalho, correspondente a duas passagens di√°rias, durante todo per√≠odo contratual.



O que diz a legislação?

A legisla√ß√£o que trata do ‚Äúvale-transporte‚ÄĚ imp√Ķe ao empregador efetuar desconto salarial de at√© 6% do sal√°rio b√°sico do empregado, mas n√£o se aplica sobre outros benef√≠cios e ganhos remunerat√≥rios dos empregados (horas extras, comiss√Ķes, entre outros) e qualquer outra vantagem contratual de valor econ√īmico. Caso o valor total do VT utilizado pelo empregado for menor que 6% do sal√°rio b√°sico, o desconto dever√° restringir-se ao menor valor. Os valores excedentes de 6% s√£o de responsabilidade do empregador.

Fonte: Domestica Legal
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados