Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 21/03/2018 - Saiba como funciona a venda de fĂ©rias no emprego domĂ©stico
21/03/2018 - Saiba como funciona a venda de férias no emprego doméstico

Lei estabelece que o empregado pode dividir as férias em dois períodos sendo que um não pode ser menor que quatorze dias


É estabelecido pela Lei Complementar 150 que o empregado doméstico tem direito a férias anuais remuneradas de 30 dias após doze meses de trabalho prestado à mesma pessoa ou família. O trabalhador também recebe acréscimo de um terço do salário normal.

A lei também determina que o período de férias poderá ser fracionado em até dois períodos, por escolha do empregador, sendo que um desses períodos precisa ter, no mínimo, 14 dias corridos. A lei também garante ao empregado o direito de vender 1/3 do tempo das férias para o empregador. Saiba como funciona.

O pagamento das férias deve ser efetuado até 2 dias antes do início do respectivo período e as férias só poderão ser iniciadas dois dias antes de feriado ou dia de repouso semanal remunerado.



Venda das férias
No emprego doméstico, o trabalhador só pode vender 1/3 do tempo de suas férias para o empregador. No caso do empregado que tira 30 dias, ele só poderá vender 10 dias para o empregador. Isso significa que o empregado continua exercendo suas atividades durante os dias que foram “vendidos”. Este período será convertido em abono pecuniário.

O empregado precisa solicitar ao empregador até 15 antes do término do período aquisitivo, que antecede o mês das férias, a venda de 1/3 de suas férias.



Desconto dos dias de férias
Se o empregado faltar mais de cinco vezes, sem justificativa, dentro do ano aquisitivo e o empregador tiver descontado as faltas no recibo mensal, essas faltas poderão ser abatidas do período de férias. Mesmo com essas faltas, o empregado ainda pode vender 1/3 de suas férias, de acordo com os dias que terá a direito de gozo.





Já os trabalhadores que ficarem afastados por seis meses ou mais, dentro do ano aquisitivo, seja por auxílio-doença, acidente de trabalho ou licença não remunerada concedida pelo empregador, ele não terá direito às férias.



Fonte: Doméstica Legal
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados