Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 22/07/2014 - Os domésticos e o descaso
22/07/2014 - Os domésticos e o descaso

Depois de tanto oba-oba e de discursos inflamados e demagógicos, mostrando a importância de se garantir os direitos dos domésticos, pouco ou quase nada foi feito até agora e os profissionais do setor continuam sem poder desfrutar de boa parte dos novos benefícios, como o seguro-desemprego e o recolhimento obrigatório do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Aliás, já transcorreu um ano após a promulgação da emenda constitucional das Domésticas, que garantiu à categoria os mesmos direitos dos demais trabalhadores urbanos e rurais,

E tudo porque o projeto de lei que trata da regulamentação está parado desde agosto de 2013, aguardando providencias junto a Câmara Federal.

Na verdade, o Brasil, campeão e legislar acaba não viabilizando um grande percentual das leis aprovadas, na maioria das vezes, por falta de vontade política de proceder a sua regulamentação. A lei existe, mas não pode ser aplicada.

Como se sabe, a mudança na Constituição garantiu aos domésticos 16 novos direitos.

Do total, sete deles, ou seja, aqueles que possuem pontos polêmicos aguardam a regulamentação para começar a valer, tais como indenização em demissões sem justa causa, obrigatoriedade de conta no FGTS, salário-família, adicional noturno, seguro-desemprego e seguro contra acidente de trabalho (o direito de auxílio-creche sequer tem as regras mencionadas no projeto de lei).

Efetivamente, o que se observa é que a tramitação dentro do Congresso sempre foi lenta, ainda mais quando há divergência no entendimento e não se obtém um equilíbrio dentro do acordo político necessário a viabilizar a legislação.

Evidente que a emenda constitucional ao ser aprovada significou um avanço. Mas, em contrapartida, a falta de regulamentação deve ser entendida como um descaso.

E o que se nota, na realidade, é que os domésticos continuam tendo subemprego, porque continuam com menos direitos.

E o outro lado, ou seja, os empregadores estão na expectativa da definição das regras.

Para que direitos como pagamento de FGTS, seguro-desemprego e banco de horas sejam garantidos aos domésticos, a Câmara precisa tirar da gaveta o projeto que regulamenta a emenda, mas a proposta espera pela análise dos deputados desde agosto de 2013.

Tomara que não sejam necessárias passeatas e movimentos para acordar os nossos políticos.

Fonte: JusBrasil
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
Sub Sede - Campinas:
Rua Visconde do Rio Branco, 301 - Ed Liberdade
5º Andar - Conj 501 - Sala 02
Centro - Campinas/SP

Telefone:
(19) 3232-0956
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados