Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 10/03/2015 - Filipinas treina empregadas dom√©sticas para exporta√ß√£o
10/03/2015 - Filipinas treina empregadas domésticas para exportação

País, com população jovem e economia frágil, se beneficia das remessas de moeda estrangeira destas profissionais.

As Filipinas t√™m uma das economias que crescem mais rapidamente na √Āsia, mas n√£o h√° empregos suficientes no pa√≠s.
Para minimizar o problema causado pelo desemprego, a cada ano o governo treina milhares de pessoas para que consigam empregos em outros países.
Na organização Housemaids Academy, gerenciada pelo governo, na capital, Manila, o dia começa com treinamento: uma equipe de faxineiras uniformizadas usa espanadores para limpar todos os cantos de uma sala. Na cozinha, cozinheiros em treinamento participam de uma palestra sobre preparo de saladas.
O interior da academia lembra um cen√°rio de novela. Cada sala preparada meticulosamente para imitar a realidade de uma mans√£o. No andar t√©rreo est√° uma sala de aula cheia de carteiras antigas. Ali, as empregadas em treinamento t√™m li√ß√Ķes de higiene, respeito e finan√ßas pessoais.
O governo das Filipinas ensina dezenas de milhares de pessoas todos os anos para trabalhos como empregadas, motoristas particulares, mec√Ęnicos e jardineiros, com o objetivo claro de coloc√°-las no mercado de trabalho de outros pa√≠ses.
√Č uma situa√ß√£o vantajosa. Estes exilados econ√īmicos, e atualmente existem cerca de 10 milh√Ķes deles, enviam moeda estrangeira de volta ao pa√≠s, algo muito importante para as Filipinas.
O grande n√ļmero de pessoas que vai trabalhar fora funciona como uma esp√©cie de v√°lvula de seguran√ßa em um pa√≠s que luta para criar empregos para uma popula√ß√£o que cresce em mais de 2 milh√Ķes de pessoas a cada ano.

Temos orgulho do que fazemos, disse uma das alunas, Maria. Somos heróis nacionais.
Esta frase apareceu pela primeira vez em uma campanha publicit√°ria do governo e est√° claro que as 20 jovens alunas, todas com uniformes impec√°veis, querem muito que isto seja verdade.
Quando questionadas se é difícil abandonar a família para trabalhar em outro país, muitas afirmam que não têm escolha.
Tenho um bebê em casa, mas não tenho como sustentá-lo. Os salários que ganho no Kuweit vão permitir que minha mãe crie ele, disse Evelyn.
Muitas outras alunas concordam e quase todas enfrentam a perspectiva de separação da família, dos filhos, por pelo menos três anos, talvez até mais.
Ao lembrar deste fato, o comportamento de metade das alunas da academia muda e agora elas choram.
Economia de call center
Al√©m do envio de moeda estrangeira pelos empregados que trabalham fora das Filipinas, outro fen√īmeno tem mantido a economia do pa√≠s.
√Č o chamado BPO, business process outsourcing em ingl√™s, ou pode ser chamado de o crescimento da "economia de call center". Cada vez mais companhias dos pa√≠ses ocidentais est√£o enviando estas opera√ß√Ķes para as Filipinas.
"Superamos a √ćndia", disse Dyne Tubbs, gerente da Transcom Call Centers enquanto a reportagem da BBC percorre as salas lotadas de telefonistas que atendem liga√ß√Ķes para uma companhia de entregas da Gr√£-Bretanha. √Č meia-noite em Manila, 4 da madrugada em Londres e os telefones n√£o param de tocar.
Companhias brit√Ęnicas adoram (os filipinos) pois nosso ingl√™s n√£o tem sotaque. Os melhores alunos sa√≠dos de nossas universidades lutam para conseguir um emprego aqui. Aceitamos apenas os jovens mais espertos. E depois que terminam o treinamento, eles at√© entendem o sarcasmo brit√Ęnico", afirmou Tubbs.
População jovem e aumentando
Um ter√ßo da popula√ß√£o do pa√≠s tem menos de 15 anos. O pa√≠s pode ter encontrado um fil√£o √ļnico na economia global mas as presentes taxas de crescimento econ√īmico, apesar de muito boas, n√£o v√£o sustentar uma popula√ß√£o que deve dobrar de 100 para 200 milh√Ķes dentro de 30 anos.
Por isso, Jane Judilla pode ser uma das solu√ß√Ķes para o futuro econ√īmico do pa√≠s: ela √© uma profissional de sa√ļde especializada em reprodu√ß√£o e controle de natalidade e que trabalha em uma das piores favelas de Manila.
Gra√ßas a uma lei aprovada no ano passado, ela agora pode oferecer de gra√ßa preservativos, anticoncepcionais e at√© esteriliza√ß√Ķes para as mulheres que escolherem o m√©todo. A Igreja Cat√≥lica foi contra esta iniciativa, e 90% dos filipinos s√£o cat√≥licos, mas n√£o conseguiu deter a lei.
Judilla nos apresenta Sheralyn Gonzalez: 30 anos, dez filhos e gr√°vida do 11¬ļ. Quando questionada se est√° feliz, ela responde rapidamente.
Ficarei feliz quando tiver o bebê e puder ser esterilizada. Meu filho saiu da escola, mal podemos pagar pela educação dos outros. Falo para meus filhos tenham apenas dois filhos, então usem contraceptivos, afirmou.
Se a pr√≥xima gera√ß√£o ouvir o conselho de Sheralyn Gonzalez, o futuro das Filipinas poder√° ser promissor. Caso contr√°rio, dezenas de milh√Ķes de jovens do pa√≠s poder√£o ficar presos na mis√©ria, ainda dependentes de trabalhos em outros pa√≠ses como uma forma de escapar das dificuldades econ√īmicas.

Fonte: Stephen Sackur BBC News, nas Filipinas
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados