Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
Notícia - 27/04/2015 - EBAL é multada por não pagar salário-base previsto em convenção coletiva
27/04/2015 - EBAL é multada por não pagar salário-base previsto em convenção coletiva

A Empresa Baiana de Alimentos (EBAL) foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar diferenças salariais e multa por descumprimento do salário-base ajustado na convenção coletiva da categoria em Feira de Santana (BA). Em recurso do sindicato dos trabalhadores, a Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que a multa deverá ser paga em seu valor total, e não se limitando ao montante da obrigação principal.
A Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013 firmada entre o Sindicato dos Empregados no Comércio de Feira de Santana (BA) e o Sindicato dos Supermercados e Atacados de Auto-Serviço do Estado da Bahia previa salário-base de R$ 722, mas a EBAL pagava R$ 11 a menos. O instrumento normativo previa ainda multa de 40% do maior salário-base da categoria multiplicado pelo número de empregados do quadro da empresa infratora, cabendo 50% ao sindicato profissional e os restantes 50% rateados entre os empregados.
Em ação de cumprimento em nome de 20 empregados da EBAL em Feira de Santana, o sindicato profissional pediu o pagamento das diferenças salariais mais a multa, no valor de R$ 5,7 mil. O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Feira de Santana e o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), porém, limitaram a multa ao valor da obrigação principal – ou seja, ao montante apurado das parcelas postuladas na ação de cumprimento, e não tomando por base os 40% do salário-base.
Segundo o TRT, a multa não tem natureza de obrigação principal, uma vez que só é aplicada no caso de descumprimento de outra obrigação prevista na norma coletiva, e sim de cláusula penal, que, segundo o artigo 412 do Código Civil e a Orientação Jurisprudencial 54 da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do TST, não pode exceder o valor da obrigação principal.
TST
No recurso ao TST, o sindicato dos trabalhadores argumentou que o TRT, ao limitar o valor da multa, interveio na atividade sindical, pois a limitação afrontaria a livre negociação coletiva e a vontade das partes. O relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, acolheu a argumentação, destacando que a multa normativa foi instituída com base na autonomia privada coletiva, livre e soberanamente pactuada entre as partes, sem limitação de valor. "Sua finalidade é assegurar a efetividade da norma e criar incentivo econômico sancionatório que leve a parte a cumprir as obrigações de fazer ou não fazer, de pagar e de dar que foram ajustadas", esclareceu.
Eventual limitação do seu valor, concluiu o relator, configuraria o próprio afastamento da força da negociação coletiva e afrontaria o artigo 7º, inciso XXVI, da Constituição Federal. Por maioria, a Turma condenou a empresa ao pagamento da multa em seu valor total, não se limitando ao montante da obrigação principal. Ficou vencido o ministro Renato de Lacerda Paiva.
Processo: RR-276-14.2013.5.05.0195
Fonte:TST
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados