Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 20/04/2016 - Comprar todas as f√©rias do trabalhador viola direito de personalidade
20/04/2016 - Comprar todas as férias do trabalhador viola direito de personalidade

Todo trabalhador tem direito ao repouso anual e o direito ao lazer. Ser privado disso prejudica as rela√ß√Ķes sociais e familiares e viola direitos da personalidade, o que justifica indeniza√ß√£o por danos morais. O entendimento √© do Tribunal Regional do Trabalho da 24¬™ Regi√£o ao determinar que um auxiliar de enfermagem que trabalhou por 13 anos para uma miss√£o evang√©lica deve receber danos morais por n√£o ter tido descanso em todo o per√≠odo. A condena√ß√£o foi confirmada pelo Tribunal Superior do Trabalho.

Dispensado sem justa causa em 2013, o empregado recorreu √† Justi√ßa contando que anualmente era dispensado e recontratado no dia seguinte, n√£o usufruindo as f√©rias, apesar de receb√™-las. A unicidade contratual foi reconhecida por meio de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado entre o Minist√©rio P√ļblico do Trabalho e a institui√ß√£o.

Ind√≠gena, o auxiliar trabalhou nos postos de sa√ļde das aldeias e assentamentos ind√≠genas de Caarap√≥, na Casa Sa√ļde Casai de Dourados e, posteriormente em postos de sa√ļde na Aldeia Jaguapiru. O ju√≠zo da 2¬™ Vara do Trabalho de Dourados j√° havia condenado a institui√ß√£o a pagar ao auxiliar de enfermagem R$ 5 mil de indeniza√ß√£o por dano moral existencial pela n√£o concess√£o das f√©rias.

A instituição se defendeu, entendendo que o empregado não sofreu dano moral, ao contrário, se beneficiou com a supressão das férias, uma vez que recebia a verba correspondente. Alegou também que há legislação específica para o atraso na concessão das férias e, portanto, a indenização era indevida.

Segundo a relatora do recurso no TST, ministra Maria de Assis Calsing, o apelo n√£o atendeu a exig√™ncia legal para a admissibilidade do recurso de revista, condicionado √† observ√Ęncia dos requisitos do artigo 896, par√°grafo 1¬ļ-A, da CLT, introduzidos pela Lei 13.015/2014. Com informa√ß√Ķes da Assessoria de Imprensa do TST.

Processo RR-24802-17.2014.5.24.0022
Fonte: Conjur
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados