Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 28/04/2016 - Empregada que omite gravidez e resiste √† reintegra√ß√£o n√£o deve ser indenizada
28/04/2016 - Empregada que omite gravidez e resiste à reintegração não deve ser indenizada

Trabalhadora que não comunica gravidez ao empregador e resiste a reintegração não deve ser indenizada pelo período de estabilidade no emprego assegurada à gestante. O entendimento é do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) que manteve decisão de primeiro grau.

O juiz Marcel Lopes Machado, da 1¬™ Vara do Trabalho de Uberl√Ęndia (MG), entendeu que a indeniza√ß√£o n√£o poderia ser autorizada, pois a reclamante n√£o comunicou a gravidez ao fazer o exame demissional nem ao sindicato quando foi homologar a rescis√£o contratual.

Além disso, levou quase sete meses para ajuizar a ação e, então, mesmo tendo sido notificada, deixou de comparecer e comprovar sua gravidez ao empregador, de modo a possibilitar a reintegração. "A reclamante também violou seu dever legal de informação, dever este anexo à boa fé contratual (artigos 421 e 422 do Código Civil)", registrou o juiz na sentença.

Ele também observou que a reclamante admitiu, em depoimento, que havia recebido o salário maternidade do INSS e seguro-desemprego no período em que requereu a indenização substitutiva. Ademais, ela recusou a proposta do juízo para que fosse feita a reintegração pelo período equivalente à estabilidade gestacional.

"Deve-se respeitar os princ√≠pios da boa f√© objetiva e da lealdade contratuais (artigos 113 e 422 do C√≥digo Civil), e seus deveres anexos de informa√ß√£o e m√ļtua assist√™ncia, hoje al√ßados √†s normas de ordem p√ļblica e cogentes (artigo 2.035, par√°grafo √ļnico, do C√≥digo Civil, e Enunciados 24 da 1¬™ Jornada de Direito Civil STJ/CJF, 168 e 170 da 3¬™ Jornada de Direito Civil SJT/CJF), e que a prote√ß√£o jur√≠dica da maternidade √© ao emprego, e n√£o prote√ß√£o/fomento √†s indeniza√ß√Ķes pelo √≥cio", avaliou o juiz.

Ele destacou que a pr√≥pria reclamante impossibilitou o cumprimento da obriga√ß√£o pelo empregador, inviabilizando a convers√£o da estabilidade em indeniza√ß√£o substitutiva. A decis√£o fez refer√™ncia tamb√©m aos artigos 122 e 129 do C√≥digo Civil. Nesse contexto, os pedidos de indeniza√ß√£o substitutiva e repara√ß√£o por danos morais foram julgados improcedentes ‚ÄĒ este √ļltimo por n√£o constatar o juiz qualquer conduta lesiva por parte da reclamada.

Recurso negado
A trabalhadora interp√īs recurso, mas o TRT-3 manteve a decis√£o. "O desenrolar do processo demonstra que a autora, de forma deliberada, al√©m de criar embara√ßos para que o empregador pudesse ter oportunidade de cumprir a lei, isto √©, reintegr√°-la ao posto de trabalho, efetivamente buscou se valer de sua condi√ß√£o de gestante para auferir, unicamente, a indeniza√ß√£o relativa ao per√≠odo da garantia constitucional", registra o ac√≥rd√£o.

Recentemente, o Pleno do TRT-3 editou a Tese Prevalecente 2, que diz o seguinte conte√ļdo: "A recusa da empregada gestante dispensada √† oferta de reintegra√ß√£o ao emprego n√£o afasta o direito aos sal√°rios e consect√°rios pertinentes ao per√≠odo da garantia provis√≥ria de emprego prevista no art. 10, II, "b", do ADCT. (RA 165/2015)".

No entanto, a turma de julgadores concluiu que o entendimento n√£o se aplicava ao caso por n√£o se tratar de simples recusa da empregada, devidamente motivada. Nesse contexto, negou provimento ao recurso da trabalhadora. Com informa√ß√Ķes da Assessoria de Imprensa do TRT-3.

Processo 0002611-31.2013.5.03.0043
Fonte: Conjur
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados