Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - Saiba como funciona o aux√≠lio-doen√ßa da empregada dom√©stica
Saiba como funciona o auxílio-doença da empregada doméstica

Somente o trabalhador temporariamente incapaz de desempenhar suas atividades tem direito ao benefício

O auxílio-doença é um benefício, concedido aos segurados do INSS, por doença ou acidente de trabalho. Isso só é válido se o empregado estiver temporariamente incapaz para desenvolver as suas atividades.

Existem duas categorias de auxílio-doença: o previdenciário (que se refere aos casos em que o empregado adoeceu fora do trabalho) e o acidentário (quando o empregado se acidenta no trabalho ou à caminho). O auxílio-doença previdenciário não garante estabilidade. Dessa forma, o empregado pode ser demitido quando retornar às atividades. Já o auxílio-doença acidentário assegura estabilidade ao trabalhador, com 12 meses sem demissão, quando voltar à ativa.

No período em que o empregado ficar afastado e receber o benefício, seu contrato de trabalho estará suspenso. Isso significa que o empregador não pode realizar qualquer alteração no contrato até que seu funcionário retorne as atividades usuais.

Quem paga pelo benefício: o empregador ou a Previdência Social?

De acordo com o Decreto 3.048/ artigo 72, a Previdência Social já deve pagar o auxílio-doença aos empregados domésticos a partir do primeiro dia de afastamento. Assim, o patrão não precisa pagar, por conta própria, a primeira quinzena.

Para que o empregado possa receber o benefício previdenciário, deve ter contribuído por, pelo menos, 12 meses. No entanto, essa exigência não é válida para os casos em que o trabalhador tiver sofrido um acidente no trabalho ou tiver desenvolvido uma doença causada por sua atividade.

13¬ļ sal√°rio

O 13¬ļ sal√°rio deve ser pago tanto pelo empregador quanto pela Previd√™ncia. O valor relativo ao per√≠odo em que o trabalhador estiver afastado ser√° pago pela Previd√™ncia Social. J√° os meses em que o empregado esteve normalmente na ativa ser√° pago pelo empregador.

Férias

Se o afastamento do empregado durar mais de seis meses no mesmo período aquisitivo, não necessariamente consecutivos, não terá direito à férias. Iniciando, assim, um novo período aquisitivo a partir da data de retorno ao trabalho.

FGTS

O depósito do Fundo de Garantia só é obrigatório para os casos de acidente de trabalho.

Salário-Família

O Salário-família correspondente ao mês de afastamento do trabalho será pago integralmente pelo empregador, pelo sindicato ou órgão gestor de mão de obra, conforme o caso. E o do mês da cessação de benefício pelo INSS.

Licença Maternidade

A empregada doméstica terá o auxílio-doença suspenso enquanto perdurar o salário-maternidade. O benefício por incapacidade deve ser restabelecido a contar do primeiro dia seguinte ao término do período de 120 dias, caso a data de cessação de benefício tenha sido fixada em data posterior a este período.

Caso precise solicitar o aux√≠lio-doen√ßa, tenha em m√£os o atestado m√©dico e agende a per√≠cia com a Previd√™ncia Social atrav√©s do n√ļmero 135. A incapacidade para o trabalho s√≥ √© comprovada por meio de exame realizado pela per√≠cia m√©dica do INSS.

FONTE: Doméstica Legal
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados