Documento sem título
 
 
         
 
Documento sem título
FEDERAÇÃO
Funções
Missão
Base Territorial
Editais
Notícias
Informativos
Federação em Ação

Sindicatos Filiados

Convenções Coletivas

Circular de Reajuste

Benefícios

Parceiros

Dúvidas

Serviços Úteis

Disque Denúncia

Contato
 
 
 
Notícias
 
NotŪcia - 22/09/2017 - Como a reforma trabalhista afetou as f√©rias do empregado dom√©stico?
22/09/2017 - Como a reforma trabalhista afetou as férias do empregado doméstico?

A reforma trabalhista entrar√° em vigor em novembro de 2017. Ela alterar√° a Consolida√ß√£o das Leis do Trabalho, prevendo algumas mudan√ßas a respeito dos direitos nas rela√ß√Ķes de trabalho.


Uma classe que será afetada é a dos empregados domésticos, que tiveram algumas regras alteradas, inclusive férias, folgas e licenças. Então o empregador deve ficar atento às novas normas.


Para facilitar o entendimento a respeito das férias do empregado doméstico preparamos este post esclarecendo o assunto. Confira!


Como ficaram as férias do empregado doméstico após a reforma?


Os empregados dom√©sticos t√™m uma lei espec√≠fica para regular os seus direitos trabalhistas, a Lei Complementar n.¬ļ 150 de 2015. Ent√£o, muitas das regras previstas na CLT n√£o se aplicam a essa categoria, pois est√£o dispostas de forma diversa na lei complementar.


A lei dos empregados dom√©sticos disp√Ķe que esses trabalhadores t√™m direito a f√©rias remuneradas de 30 dias, com acr√©scimo de 1/3 do sal√°rio, a cada 12 meses de trabalho prestado ao empregador. As f√©rias podem ser divididas em at√© dois per√≠odos, e um deles deve ter no m√≠nimo 14 dias. No caso dos dom√©sticos, quem decide essa divis√£o √© o pr√≥prio patr√£o.


Também há a possibilidade de o empregado doméstico converter um terço do período de férias em um abono pecuniário, no valor a que teria direito pelos dias trabalhados. Segundo a reforma trabalhista, agora há a possibilidade de se dividir as férias em até três períodos, sendo um de no mínimo 14 dias e dois de no mínimo cinco dias.


Porém, como a lei do empregado doméstico é específica, entende-se que ela é aplicável mesmo que a CLT disponha de forma diferente, portanto não há mudança em relação ao parcelamento de férias.


Contudo, é bom esclarecer que esse assunto ainda não foi decidido por nenhum Tribunal de Trabalho do país. Então esse entendimento pode ser mudado, tendo em vista que a reforma da CLT seria mais atual que a lei do empregado doméstico.


Uma mudança da reforma é que agora esse parcelamento pode ser aplicado aos domésticos com mais de 50 anos, o que antes não podia acontecer. Também ficou expressamente vedado que as férias tenham início no período de até dois dias antes de feriados ou repouso semanal.


Como ficaram as licenças e as folgas do empregado doméstico?

Apesar de n√£o haverem modifica√ß√Ķes em rela√ß√£o √†s folgas e licen√ßas m√©dicas dos empregados dom√©sticos, a lei complementar t√™m algumas disposi√ß√Ķes que diferem da CLT, trazendo diversas d√ļvidas aos empregadores.


Segundo a lei dos empregados dom√©sticos, quando h√° a falta por problema de sa√ļde, desde o primeiro dia j√° √© o INSS que remunera o empregado. Para os outros trabalhadores, o INSS s√≥ efetua o pagamento ap√≥s o 16¬ļ dia, antes disso a obriga√ß√£o √© do empregador.


Ainda, na Lei Complementar, em seu artigo 10, j√° estava disciplinada a chamada jornada ‚Äú12√ó36‚ÄĚ, o que s√≥ foi regulado aos outros empregados com a reforma trabalhista.


Essa regra consiste em uma jornada de trabalho de 12 horas ininterruptas, e depois 36 horas de repouso. Lembrando que n√£o haver√° o pagamento de hora extra nesse tipo de jornada.


Ainda, vale lembrar que é considerado empregado doméstico aquele que trabalha na residência por mais de 2 dias por semana, e garantem os direitos elencados na lei complementar e na CLT.


J√° os diaristas s√£o aqueles que trabalham at√© 2 dias por semana na resid√™ncia, e t√™m um acordo firmado com o contratante, mas n√£o est√£o sujeitos ao regime da lei espec√≠fica ou da CLT. Assim, eles recebem os valores referentes apenas aos dias trabalhados, e n√£o t√™m direito a f√©rias nem 13¬į sal√°rio. O que vale √© o acordo firmado entre diarista e patr√£o.


Fonte: Doméstica Contábil
 
 
Documento sem título
Sede - São Paulo
Av. Casper Líbero, 383, 13° andar, sl 13c
Centro - São Paulo/SP
(Próx. a Estação da Luz)

Telefone:
(11) 3228-1390
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados